O caminho santo de Phoebe Worrall Palmer

Phoebe Worrall Palmer (1807-1874), foi uma das mulheres mais conhecidas do século XIX. Ela nasceu em Nova York em 18 de dezembro de 1807 filha de Henry e Doreth Wade Worrall. Em 28 de setembro de 1827, Phoebe Worrall casou-se com Walter C. Palmer, líder metodista da Igreja Episcopal, pregador leigo e médico homeopata na cidade de Nova York.

Os recursos recebidos da prática de Walter permitiram a Phoebe estender sua carreira de pregadora e escritora. Como resultado, a influência de Phoebe foi sentida bem além das fronteiras da vida religiosa da América do século XIX. Com a aposentadoria do seu marido, Walter viajou com Phoebe de 1859 a sua morte em 1874.

Reuniões de Oração

Desde 1840 até sua morte em 1874, ela realizou uma reunião de oração bem frequentada na sua casa na cidade de Nova York conhecida como “Reunião de terça-feira para a Promoção da Santidade”. Ela viajou extensivamente como oradora convidada para reavivamentos e reuniões de campo nos Estados Unidos, Canadá e Grã-Bretanha. Além de suas responsabilidades falando, Phoebe empreendeu trabalhos extensivos da escrita. Entre seu legado literário são obras bem conhecidas, O Caminho de Santidade (1843) Devoção inteira à Deus (1845), Fé e seus efeitos (1848), e A Promessa do Pai (1858). Além disso, ela editou o Guia para a Santidade, uma das revistas mensais religiosas de maior circulação do país, de 1864 a 1874.

Movimento de Santidade

Phoebe Palmer é muitas vezes chamada de “mãe do movimento de santidade”. Sua influência sobre o movimento de santidade foi profunda – e continuou muito depois que seus escritos originais foram esquecidos. Sua ênfase estava em (1) consagração inteira a Deus, (2) fé na promessa de Deus (“o altar santifica o dom”) e (3) testemunho público. Esse foi o “Caminho Mais curto” de Palmer para a santidade cristã – um ensinamento que fez a ideia da Inteira Santificação acessível às massas – por anos e anos, muito depois de sua morte.

Phoebe Palmer continua a ser uma figura controversa até hoje. Alguns afirmam que seu ensino produziu uma mudança no movimento wesleyano: o momento de crise da consagração e da fé veio a ser enfatizado de uma maneira que ofuscou os resultados reais vivenciados da fé santificadora – ou, dizendo outra maneira: a santidade tornou-se mais “de uma crise” e menos de uma busca.

Com o passar do tempo, o reboque do altar do acampamento foi substituído pela reunião de classe, com suas estruturas de apoio e prestação de contas. Palmer também insistiu na separação da moda e dos entretenimentos devido aos novos tempos – vendo estes como a essência do mundanismo – algo que poderia condenar a alma ao Inferno.

Legado

Os Palmers tiveram seis filhos, três dos quais morreram na infância. Das três crianças sobreviventes, duas eram meninas, Sarah e Phoebe, e um filho, Walter Clark, Jr. Seria a filha Phoebe – de mesmo nome, que seguiu os passos espirituais de sua mãe, embora nunca teria o mesmo nível de notoriedade dela. Phoebe nasceu em 9 de março de 1839 em Nova York, e aos 16 anos casou-se com um dedicado trabalhador da escola dominical chamado Joseph Fairfield Knapp, um dos fundadores e o segundo presidente da Companhia Metropolitana de Seguros Life.

Como membros da Igreja Metodista de St. John, em Nova York, eles receberam a amizade de um dos membros mais queridos de St. John, Fanny J. Crosby, a famosa escritora cega de hinos congregacionais. Talvez tenha sido o exemplo de Miss Crosby que incentivou Phoebe Palmer Knapp a escrever mais de 500 hinos. Mas seu maior sucesso foi o de passar por um esforço colaborativo com a srta. Crosby.

Um dia Phoebe terminou a composição de uma música, e foi para a casa da senhorita Crosby no Brooklyn. Depois de tocar a música, ela se virou do piano e viu que Fanny estava ajoelhada em oração. Pensando que ela não tinha ouvido, Phoebe tocou mais uma vez. Mais tarde Fanny refletiria sobre aquela experiência com as seguintes palavras: “Minha amiga, a senhora Knapp, compôs uma melodia, e tocou-a duas ou três vezes no piano. Ela então me perguntou o que eu achava, e eu imediatamente respondi: “Bendita segurança, Jesus é meu! Oh, o que é uma antecipação da glória divina”! Em poucos minutos de ter ouvido a melodia, Fanny tinha composto sem esforço três versos e um coro para a nova música de Phoebe, e em 1873, seu esforço conjunto,”Blessed Assurance“, foi lançado para o mundo cristão comemorar.

O texto e melodia deste hino muito amado banhou a testa de muitos santos, e seu uso na igreja desde a sua publicação há mais de um século até o presente, fala muito de suas qualidades duradouras e cativantes. Dos quase nove mil hinos que Fanny Crosby escreveu ao longo de sua vida, “Blessed Assurance” permaneceu uma de suas mais queridas. Este hino foi tão bem amado por Miss Crosby que ela escolheu o primeiro verso para a inscrição em sua lápide em sua morte em 1915.

Escute:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*