O Movimento de Santidade está morto!*

Por Keith Drury

O Movimento da Santidade está inoperante

Devo muito ao movimento de santidade. Em 1905, eu creio, ou foi 1906, meu avô, um imigrante mineiro, veio da Inglaterra para os Estados Unidos e se estabeleceu na Pennsylvania. Sua esposa, Emmaline viu na loja Five and Dime, uma mulher que era diferente. A senhora perguntou a minha avó, “Você gostaria de vir a uma reunião de oração?” Ela tinha freqüentado a Igreja da Inglaterra toda a sua vida, mas desde que chegara a América não estava participando de uma igreja em nenhum lugar. Ela disse: “Por que não, com certeza!”

E minha avó, Emmaline Drury, entrou em uma pequena reunião de oração do movimento de santidade. Nele, ela encontrou o Senhor e foi “salva”. Ela nem sequer sabia o que significava salvação, mas ela conseguiu.

Ela voltou para casa e disse ao meu avô, Walter Drury: “Walter, eu fui salva esta noite.” Meu avô disse: “Bem, Emmaline”, mas por dentro ele disse, “Vamos ver.” Ele sempre voltava para casa da mina e ia até o porão da casa em Elizabeth, Pennsylvania e levava suas roupas sujas de poeira de carvão pra fora. No dia seguinte, quando ele chegou em casa do trabalho na mina ele subiu os degraus do porão, à direita da cozinha, e no andar de cima foi para o quarto e levou toda a sua roupa imunda de carvão preto e estatelou-se na cama. Emmaline subiu e sem dizer uma palavra, limpou tudo, limpou a cama, tirou tudo do lado de fora e sacudiu-o para fora.

Ele fez isso todos os dias durante duas semanas! Ela sorriu e com uma doçura de espírito, nunca disse uma palavra, e limpava tudo depois todos os dias. Esta foi a salvação pessoal, não a santificação! Ele ficou tão atraído por ela que ele a acompanhou à reunião de oração. E também foi salvo numa reunião de santidade em Elizabeth, Pennsylvania.

Então, eu devo muito ao movimento de santidade. Meus avós levantaram meu pai, que se tornou um pregador de santidade, e agora eu sigo esse caminho.

No entanto, o que eu tenho a dizer, hoje, não é uma coleção de pensamentos brilhantes e animadores. É o seguinte: Precisamos admitir um ao outro que o movimento de santidade está morto. Nunca tivemos um funeral. E ainda temos o corpo lá em cima na cama. Na verdade, nós ainda mantemos as vestes e ainda falamos sobre o movimento como se estivesse vivo. Mas o movimento de santidade é um movimento morto. Sim, eu reconheço que existem muitas pessoas maravilhosas ao redor. E as pessoas ainda estão sendo inteiramente santificadas aqui e ali. Mas, como um movimento, eu acho que nós precisamos admitir que estamos mortos. Quanto mais cedo admiti-lo, melhor será.

Nós temos uma herança de santidade. Temos denominações de santidade. Temos organizações de santidade. Temos doutrinas de santidade. Temos até mesmo faculdades de santidade, mas não temos mais um movimento de santidade. Eu, por exemplo, lamento a morte do movimento de santidade. Mas fingindo que estamos vivos como um movimento não vamos mudar. Na verdade, pode ser a maior barreira para a emergência de um novo movimento de santidade.

O que aconteceu com o movimento de santidade? Como o movimento morreu? Quem o matou? Foi uma morte lenta, ou nós morremos de repente? Foi assassinato? Suicídio? Por que o movimento morreu? O que causou sua morte?

Gostaria de sugerir oito fatores que contribuíram para a morte do movimento de santidade.

1. Queríamos ser respeitáveis

O povo de santidade se cansou de ser diferente e de ser visto como “santarrão”. Em algum lugar ao longo da linha do tempo, decidimos que não queríamos ser estranhos. Nós não queríamos mais ser vistos como uma “seita” ou um grupo marginalizado. Em vez disso, queríamos ser aceitos como normais, cristãos regulares. Nós estremecemos com o pensamento de ser um “povo peculiar”, então determinamos que deveríamos nos enquadrar.

Os pastores das igrejas de santidade agora podem dizer aos visitantes: “Meu povo aqui são pessoas de qualidade.” O que eles querem dizer com “pessoas de qualidade” é que sua igreja é preenchida com bons profissionais, classe média alta, de colarinho branco. “As pessoas de qualidade”, são pessoas respeitáveis. E nós nos tornamos respeitáveis. Não há grande diferença agora. Presbiterianos, batistas, luteranos movem-se em nossas igrejas, vindos de suas antigas denominações com facilidade. Eles não vêem muita diferença, porque não há muita diferença. Fomos bem sucedidos em tornar-nos cristãos médios.

Mas nessa busca por respeitabilidade, nós perdemos algo. Perdemos a nossa vontade de ser “diferente”. Não apenas diferente do restante do mundo como ensina o cristianismo. Saímos da beirada. Nos tornamos respeitáveis. E em algum lugar ao longo da linha, perdemos o movimento. É difícil ser um movimento de santidade quando não se quer ser diferente do que a média cristã.

2. Mergulhamos na genérica corrente evangélica

Com o tempo paramos de nos chamar “povo de santidade” ou “igrejas de santidade” ou “faculdades de santidade” ou “denominações de santidade” (exceto, é claro, um para o outro). Começamos a nos apresentar como “evangélicos”. Nós começamos a familiarizarmos mais com a Associação Nacional de Evangélicos do que com a Associação Cristã de Santidade. As igrejas locais se reposicionaram como “evangélicos” em suas comunidades. Nós construímos igrejas respeitáveis ​​em rodovias movimentadas. Nós paramos de pintar “Santidade ao Senhor” na parede da frente. E gradualmente fomos nos misturando no meio da população evangélica.

Tudo isso, é claro, foi muito fácil para nós. Os reis da mídia evangélica, como James Dobson, Charles Colson, Pat Robertson, Jerry Fallwell, Robert Schuller e Bill Hybels derreteram nossas diferenças. Os líderes de santidade de hoje estão para ser encontrados. E mesmo aqueles que têm uma base de santidade não são conhecidos como líderes de santidade, tanto como líderes evangélicos. Os influenciadores dos nossos pastores são evangélicos, não líderes santidade. Aos poucos, a teologia entre nosso povo tornou-se a mesma sopa genérica evangélica servida em qualquer outra igreja evangélica. “O povo de santidade” se tornou “povo evangélico”. É difícil ter um movimento de santidade quando nosso povo é realmente uma parte do movimento evangélico, não o movimento de santidade.

3. Nós não conseguimos convencer a geração mais jovem

Temos de admitir que não conseguimos convencer a geração na faixa dos 40 e dos 30 anos para a importância da inteira santificação. Alguns pregam regularmente. Mas muitos pregam apenas ocasionalmente, e mesmo assim com pouca urgência ou paixão. Não é o “principal problema” para Satanás e pregadores imbecis. Na melhor das hipóteses, a santidade é pregada como um acessório atraente, não como uma necessidade essencial. Esta geração (a minha geração) faz isso nos momentos de ordenação, em seguida, coloca a santidade em banho-maria.

Muitas pessoas da base gostam de culpar as instituições de ensino por isso, é claro. Mas todos nós devemos assumir a culpa. Precisamos encarar a música. Muitos pastores de santidade optaram pela noção muito mais atraente da santificação opcional ou progressiva do que a noção “instantânea” ou de “inteira” santificação.  É difícil ser um movimento de santidade, quando muitos dos pastores não pregam a santidade e, se o fazem, é com pouca paixão ou insistência.

4.Nós deixamos de considerar a santidade a questão principal

Na fase de movimento “o primordial é manter a prioridade daquilo que é principal.” Quando o movimento de santidade foi um movimento, a santidade era a coisa principal. Santidade foi “as dez” das dez maiores prioridades. Todo o restante veio após a santidade.

Outros movimentos ilustram isso. Considere o movimento anti-aborto. Há pouco espaço para outra coisa. Combater o aborto é a coisa principal. Todas as ações são colocadas sob este assunto. Todos os julgamentos de pessoas e organizações são feitas através da lente daquilo que é prioridade. Ou, então, considere o movimento de crescimento da igreja. Aqui, o crescimento é a prioridade. Será que vai nos ajudar a crescer? Será que vai prejudicar o crescimento? Estas são as perguntas quando um movimento é um movimento. A prioridade dominante relega todas as outras questões às prioridades secundárias. Este é um dos excessos de um movimento. O termo “movimento equilibrado” é um oximoro, uma contradição. Os movimentos são radicais por natureza.

Há um monte de excessos no movimento de santidade hoje. Estamos bastante seguros. A santidade é a nossa crença declarada. Mas na maioria dos lugares não o tornamos o assunto principal. Os velhos pregadores do movimento de santidade costumavam dizer: “Pregue santidade e o restante cuidará de si mesmo.” Quem diz isso hoje? Hoje a tendência é uma pregação suave, animadora, em sermões de auto-ajuda, não sermões de santidade. Onde a santidade não é a prioridade não haverá movimento de santidade. Assim como sempre que o aborto não é a coisa principal, não haverá nenhum movimento anti-aborto. É difícil ter um movimento de santidade, quando a santidade não é mais a principal coisa.

5. Perdemos os leigos

Um movimento real não é composto de profissionais, mas é dominado por leigos. Enquanto os pregadores de santidade e os escritores inflamados juntavam os leigos no movimento de santidade, os leigos davam a verdadeira dinâmica. Mas ao longo dos anos, as reuniões do movimento de santidade como a Associação Cristã Santidade tornaram-se reuniões administrativas de ministros para prestar contas de despesas, não uma multidão de leigos com uma verdadeira paixão pessoal pela santidade. Na verdade, pergunto, quantas reuniões haveria se todos aqueles que participaram haviam seguido seu próprio caminho.

Nós já não temos uma força de soldados leigos de infantaria. Temos generais sem exércitos. Estratégia, mas nenhum soldado. É difícil ter um movimento de santidade sem os leigos.

6. Nós reagimos contra os abusos do passado.

Não estou ansiando pelo passado. Eu acredito que o movimento de santidade, em muitos casos, teve um passado abusivo. Mas na tentativa de corrigir estes abusos, nós exageramos.

Alguns mais antigos (talvez a maioria) no movimento de santidade foram legalistas e críticos. Hoje, tornamo-nos liberais quanto ao comportamento. Alguns eram tão espirituais que nunca tocavam o mundo. Agora, assimilamos o mundo e raramente tocamos em Deus. Alguns eram radicalmente emocionais, correndo pelos corredores, gritando, e “sendo abençoados.” Nosso culto tornou-se ordenado e respeitável, e nós rotulamos uma emoção maior de “carismática”. Alguns eram críticos e rejeitavam qualquer um que se divorciasse ou tivesse problemas conjugais. Agora aceitamos tanto o divórcio que rapidamente isso deixou de ser um problema em nosso meio, exceto para o clero – mas até isso está corroendo. Eles pregaram um Deus vingativo e temível. Agora temos uma pregação light, descontraída, e o senhor Rogers que está no céu diz que “te ama do jeito que você é”.

Enquanto os mais antigos do movimento de santidade cometiam abusos (e talvez em parte responsáveis ​​pela nossa reação exagerada), os abusos da nossa geração não têm sido menores. Temos levado muita gente pra longe da doutrina da santidade essencial e da experiência. Agora temos teólogos de santidade e repetidores (como eu) que são melhores em articular o que a santidade não é, do que ela realmente significa. Fica difícil ter um movimento de santidade, quando grande parte do que somos é meramente uma reação contra quem éramos.

7. Adotamos o pensamento de crescimento da igreja sem fundamento teológico

Descobrimos que, na América, o sucesso numérico é a porta de entrada para o respeito. Nós queríamos ser aceitos e descobrimos que o crescimento da Igreja nos deu a chance. Quando o movimento de crescimento da igreja veio em primeiro lugar, o povo de santidade teve receio. Mas estávamos preocupados demais em ganhar o mundo. E evangelismo sempre foi uma paixão que andou abraçada com a santidade. E os anos de cultivo de santidade na igreja foram suprimidos e foi adotado o pensamento de crescimento da igreja de por atacado. Pastores tornaram-se CEOs. Ministros tornaram-se gestores. Pastores tornaram-se fazendeiros. Sermões tornaram-se conversações. Pecadores foram renomeados para “pesquisadores”. “Doze Passos” tornou-se a nova forma de obter a libertação, em vez de vida no altar. O crescimento em si tornou-se a grande questão de desempate. Todo o restante foi feito para servir o crescimento.

Claro, não há nada de errado com o crescimento da igreja. E se as pessoas estão sendo salvas, deve haver crescimento da igreja. Mas existe alguém que diria que o movimento de crescimento da igreja é, de alguma maneira, um movimento de santidade? Na verdade, grande parte do movimento é em grande medida, abertamente anti-santidade, ensinando-nos que “o aperfeiçoamento dos santos” é uma tarefa inacabável e que deve ser dada importância secundária para a principal tarefa de fazer discípulos. A maioria de nós no movimento de santidade (eu incluído) se juntou ao movimento de crescimento da igreja com grande entusiasmo. E com pouco pensamento teológico. (Devo acrescentar que esta transferência de lealdades do movimento de santidade para o movimento de crescimento da igreja foi estimulado pela maioria dos líderes de denominações de santidade como eu. E nós, líderes, reestruturamos todos os sistemas de recompensa e de afirmação denominacionais para encorajar apenas duas coisas: Crescimento e “grandeza”). E nós tivemos a recompensa por algum tempo.

Pastores de Santidade alistaram-se como soldados de infantaria entusiasmados na ideia de crescimento. Então passaram a ler livros de crescimento de igreja, a participar de conferências de crescimento de igreja, a assinar revistas de crescimento de igreja, e formar rede com outros pastores da igreja para o crescimento. Este é o material de um “movimento”. Esses pastores de santidade tinha simplesmente mudado de movimento. Eles barganharam na ferrugem do velho movimento de santidade e o substituíram por um novo e brilhante movimento de crescimento da igreja.

(Por outro lado, uma questão, agora que o movimento de crescimento da igreja está em ruínas, esses pastores irão junto. Presumivelmente, o movimento de crescimento da igreja continuará a produzir publicações, realizar conferências e conceder graus “D. Min” em crescimento da igreja por muitos anos. E eu suponho que, mais cedo ou mais tarde, alguém vai falar em um encontro de pensadores de crescimento de igreja e declará-lo um movimento morto).

Muitos pastores de santidade simplesmente trocaram de movimento. Eles se tornaram membros de um movimento maior, mais forte, mais popular e melhor financiado. Alguém pode negar isso? Em muitas igrejas de santidade, o crescimento é o rei, não a santidade. O pastor e os membros estão no movimento de crescimento da igreja. E por causa da natureza radical de um verdadeiro movimento, é difícil montar dois cavalos de uma só vez. Assim nós montamos o cavalo do crescimento e deixamos o cavalo da santidade fora do pasto. É difícil ter um movimento de santidade quando nossos corações já foram entregues a outro amante. . . outro movimento… o movimento de crescimento da igreja.

8.Nós não notamos quando a linha de batalha se moveu

Muitos de nós acreditamos que estamos em perigo de perder a doutrina e a experiência da “santificação como a segunda bênção” – uma experiência através do Espírito Santo que limpa o coração de sua inclinação de se rebelar contra Deus e permite ao crente viver acima do pecado intencional, produzindo uma vida em obediência à vontade conhecida de Deus.

Acreditamos que devemos defender nossa base para a mensagem de santidade. Essa santidade é a “linha de frente” da batalha, se usarmos termos militares. Porém, enquanto nos reunimos e conversamos uns com os outros sobre a santidade, e enquanto temos discutido doutrina na Wesleyan Theological Society, e enquanto temos tido nossas convenções denominacionais onde mostramos uns aos outros os nossos vídeos auto-congratulatórios, a linha de batalha avançou contra nós.

Muitos dos nossos não precisam ser santificados – eles ainda precisam ser salvos! A doutrina em risco em muitas igrejas de santidade não é a da Inteira Santificação, mas a da “conversão que transforma”. Talvez precisemos ficar ao lado de Lutero por algum tempo antes que possamos voltar para Wesley.

Poucos vão admitir isso conscientemente, mas muitas de nossas igrejas têm substituído “conversão que transforma”, por um estilo mais suave e mais amigável para construção da igreja local. Os modelos de “assimilação de sócios” ou de “evangelização de assimilação” ou “desenvolvimento de fé” parecem muito mais atraentes hoje do que os antigos modelos de restauração do pecado-arrependimento-conversão do passado. A noção de que as pessoas podem se arrepender de seus pecados em um único momento e serem transformadas instantaneamente em novas criaturas com vidas radicalmente mudadas, está cada vez mais em desuso, mesmo nas igrejas de santidade.

A modernidade nos ensina que nada pode ser feito em menos de doze passos! Esses modelos populares de assimilação transformam o evangelho em outra coisa. É mais sociologia do que teologia. As pessoas transbordam em igrejas sem jamais se tornarem salvas. O arrependimento é substituído por “aceitar a Cristo”. Cristo é “adicionado em” para alcançar uma vida equilibrada. Pecador é substituído por “pesquisador”, os absolutos são destrinchados em várias opções, e teologia é substituída pela terapia.

E as pessoas entram na igreja. E o crescimento – grande crescimento – resulta desses modelos de adesão”sem conversão”. Mas fica difícil ter um movimento de santidade dedicado à possibilidade de “santificação instantânea”, quando muitas pessoas nem sequer têm uma experiência de “salvação instantânea”. É difícil ter um movimento de santidade quando muitos de nossos próprios membros da igreja não são nem salvos, e muito menos santificados.

Minha avaliação é que estamos mortos, mortos como movimento. E quanto mais cedo o admitirmos, melhor estaremos. Embora a doutrina e a experiência da santidade ainda tem mais vida do que o movimento, o meu sentimento é que estes também acompanharão o movimento na sua morte. E, se eu sou correto – até mesmo meio-correto – as pessoas de santidade estão em um ponto crítico de sua história.

Mas aqui está a ironia em tudo isso: raramente houve um tempo em que a igreja precisasse mais desesperadamente da mensagem da santidade. A superficialidade espiritual é desenfreada. O pecado entre os crentes é comum. Os cristãos divulgam corajosamente em seus adesivos no vidro traseiro do carro, “eu não sou perfeito – mas sou perdoado”. O que antes era uma derrocada da moralidade no mundo é agora uma moralidade em ruínas dentro da igreja.

Pessoas como Peggy Campolo[1] se chamam de “evangélicas”, e “endossam entusiasticamente relações monogâmicas, amorosas e íntimas entre pessoas do mesmo sexo”. Evangélico? A igreja assistiu Amy Grant e Michael W. Smith ter sucesso ao se tornarem artistas seculares. E então os seguiu com cultos de adoração seculares.

Foi muito bom ver que a nossa música, os grupos de apoio e as palestras encorajadoras tornaram-se  populares para o mundo. Começamos a nos encaixar. O mundo agora gosta de nós! Os cristãos são cada vez menos diferentes dos seus vizinhos não salvos. Eles agora fazem a mesma coisa. Eles mentem, trapaceiam e se divorciam, assim como seus vizinhos não salvos.

O velho enigma era profético: o que separa a igreja e o mundo? Resposta: Cerca de dez anos. Talvez até menos. Evangélicos têm se acomodado ao divórcio. O “mundanismo” raramente é mencionado, e mesmo assim, só em tom de brincadeira. Os evangélicos agora assistem aos mesmos filmes seculares. Eles alugam os mesmos vídeos. Eles assistem aos mesmos programas de TV. Os evangélicos observam coisas na televisão que eles chamariam de “pornografia” há vinte anos. As famílias cristãs estão caindo aos pedaços.

Mesmo grupos de membros do conselho se divorciam e se casam com os cônjuges de cada um – enquanto permanecem na mesa! E igrejas evangélicas estão se enchendo de pessoas que nunca tiveram uma experiência genuína de conversão e vida transformada. Elas penetraram através do processo de assimilação social. Não é irônico, que enquanto o movimento de santidade declina, a igreja em geral está em sua maior necessidade de um movimento de santidade. O que Deus quer?

  • Creio que Ele quer um movimento de santidade. Um novo movimento de santidade.
  • Um movimento que pregue corajosamente que Deus é santo e não aceita o pecado.
  • Um movimento que tenha a integridade de dizer a alguns cristãos que eles precisam ser salvos.
  • Um movimento que pregue uma segunda obra de graça que Deus faz na vida de um crente para purificá-la e capacitá-la, permitindo uma vida obediente de devoção a Deus.
  • Um movimento que vai levar as pessoas a abandonarem o mundanismo, mesmo correndo o risco de perder algumas pessoas.
  • Um movimento que adotará uma missão externa – para recrutar, persuadir e mobilizar outros evangélicos tão agressivamente quanto o movimento de crescimento da igreja ou os movimentos anti-aborto têm feito – para recrutá-los para a santidade.

Este é o movimento de santidade que a igreja de hoje precisa tão desesperadamente. Um novo movimento de santidade. Então eu não sou essencialmente sombrio na minha visão. Talvez eu seja sombrio para o movimento de santidade das duas últimas décadas. Mas para o novo movimento de santidade das próximas duas décadas, estou bastante otimista. Eu acredito que nós veremos isto! Deus o trará!

A questão perturbadora é esta: o velho movimento de santidade estará no novo movimento de santidade? Ou Deus trará alguém de fora do nosso círculo para levantar e liderar o novo movimento? Eu acho que seria maravilhoso se Deus levantasse um novo movimento de santidade dentro do movimento de santidade. Talvez admitamos que o movimento de santidade esteja morto. E nos organizemos como um “remanescente” dentro do movimento de santidade. Nós nos tornaremos mais como um movimento subterrâneo do que como um movimento oficial. Um movimento de santidade dentro do movimento de santidade. Talvez pudéssemos nos tornar o movimento de “santidade de boas novas” dentro das denominações de santidade. Poderíamos ser. Mas eu temo que não será assim.

Deus é muitas vezes forçado a usar odres novos para levar Seu novo vinho. Podemos nos importar mais com a nossa antiga reunião de acampamento, reuniões de avivamento, convenções de santidade e coisas do gênero – do que cuidar do vinho novo. No entanto, eu posso estar totalmente errado em minha proposição. Talvez Deus levante o velho movimento de santidade para ser o novo. Talvez eu tenha pintado uma imagem muito ruim. Talvez eu seja muito parecido com um dos choros no funeral da filha de Jairo: Eu lamento sua óbvia morte. Ela está pálida. Ela está morta. Ela se foi. Mas Jesus está perto. E Ele dirá: “Ela não está morta, mas está dormindo.” Ai eu vou rir, e Ele tomará nosso movimento pela mão, e nos dirá: “Meu filho, levanta!” E um novo movimento de santidade surgirá do velho. Tudo o que Ele fizer, seja nascimento, renovação ou ressurreição, quando o novo movimento de santidade vier. . . Eu quero estar nesse número!

* Este artigo foi originalmente lido num café-da-manhã da Christian Holiness Association, em 1995. Após 10 anos, em 2004, Drury fez uma revisão e acrescentou comentários e notas (que não estão aqui). Há um outro artigo de sua autoria que segue a mesma linha porém é mais propositivo, “Há esperança para o Movimento de Santidade”, que em breve também será publicado aqui no Wesleyano.

Postagem original revisada (após 10 anos): http://www.drurywriting.com/keith/dead.footnoted.htm

Tradução: Eduardo Vasconcellos

[1] Peggy Campolo, servia na Igreja como cooperadora e tornou-se ativista LGBT. Ela disse claramente sem qualquer restrição que ser LGBT era perfeitamente normal, perfeitamente saudável, perfeitamente aceitável e perfeitamente compatível com o cristianismo.

Um comentário

  1. Obrigado por publicar este artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*