A amor de Deus derramado pelo Espírito Santo no coração de Daniel Steele

Daniel Steele (1824-1914) foi um grande teólogo e estudioso da Bíblia associado ao movimento wesleyano de Santidade. Teve uma carreira variada como pastor, professor da faculdade, e administrador da faculdade. Seu estilo de escrita pode levar algum tempo para se acostumar, mas seus escritos são bons e vale a pena ler, em grande parte por causa de sua ênfase na interpretação bíblica. Steele era um bom defensor dos ensinamentos de Wesley e Fletcher.

Ele nasceu em Windham, NY, 5 de outubro de 1824. Se formou na Universidade Wesleyana em 1848, onde recebeu um Bacharel em Artes (1848), um Mestrado em Artes (1851), e um grau de Doutor em Divindade (1868). Ele também serviu por dois anos depois como professor naquela escola. Ingressou na Conferência da Nova Inglaterra da Igreja Episcopal Metodista em 1849, e serviu no trabalho pastoral até 1862. Em 1862 ele foi eleito Professor de Línguas e Literatura Antigas na Faculdade Genesee em Lima, Nova York. Mais tarde, de 1869 a 1871, ele serviria como presidente dessa mesma Faculdade.

Em 1871, foi nomeado Professor de Filosofia Mental e Moral na Faculdade da Universidade de Syracuse. Neste ano, a Faculdade Genesee se fundiu com a Universidade de Siracusa e ele foi selecionado para ser o vice-presidente da Faculdade de Filosofia da Universidade que, na primeira fase da escola, também fez dele o primeiro chanceler interino da Universidade. Em 1872 aposentou-se da universidade, e retornou ao trabalho pastoral na conferência de Nova Inglaterra da Igreja Episcopal Metodista.

Foi neste período de tempo que Steele começou a publicar seus livros teológicos e escritos que o estabelecem como uma figura proeminente no Movimento de Santidade. Em 1886, Steele retornou à academia mais uma vez, tornando-se o Professor de Teologia Doutrinal na Universidade de Boston. Ele continuou a escrever enquanto ocupava essa posição, assim como continuaria a escrever bem em seus últimos anos. Seu último ensaio escrito foi publicado em 1911, apenas alguns anos antes de sua morte em 2 de dezembro de 1914.

Ele era um ardente defensor da inteira santificação e escreveu vários livros, sendo o principal deles, Amor Entronizado (1875, revisado 1908). Esta exposição da doutrina da inteira santificação inteira inclui o testemunho pessoal e a experiência do autor. Este foi o primeiro dos “livros de santidade” de Steele. O material foi adicionado em 1908.

Papéis Importantes (1878). Uma coleção de ensaios sobre a Inteira Santificação. Se você quiser ler apenas uma das obras de Steele, este é o único a ler. O capítulo 8 sobre “Leituras Tensas” no Novo Testamento grego é especialmente interessante.

Um substituto para a santidade, ou Antinomianismo Revivido (1887) Este livro é uma refutação do Dispensacionalismo. Este é seu único livro sobre os ensinamentos dos últimos tempos. Sua principal preocupação é o modo como o ensino Dispensacionalista mina o chamado à santidade cristã. Steele era um pós-milenialista, e acreditava que o esquema do tempo do fim se encaixava melhor com a teologia otimista do wesleyanismo. Este é um livro especialmente provocativo para ler.

Comentários do Antigo Testamento (1891). Estes apareceram nos volumes 2 e 3 do Comentário Bíblico de Whedon sobre o Antigo Testamento . O Comentario Whedon se destinava a ser um comentário de nível popular para o leitor em geral, escrito a partir de um ponto de vista wesleyano. Dr. Steele contribuiu com comentários sobre: Levítico, Números e Josué.

Meia-hora com São Paulo (c. 1894). Vários artigos do estudo da Bíblia, principalmente abordando a interpretação dos escritos do apóstolo Paulo. A maioria deles (mas não todos) são muito breves.

A Defesa da Perfeição Cristã (1896). Esta “defesa” foi escrita para refutar o livro do Dr. James Mudge, Crescimento na Santidade em direção à Perfeição. Mas, o livro é breve, muitos dos capítulos são muito breves e o argumento não é difícil de seguir.

O Evangelho do Consolador (1898). Este livro sobre o papel do Espírito Santo na vida cristã é considerado por alguns como o maior livro de Steele.

Jesus Exultante (1899). Uma coleção de sermões. Este é o único livro dedicado exclusivamente aos sermões de Steele. Os sermões são longos, mas os tópicos são interessantes. A teologia de Steele era esperançosa, graciosa e otimista.

Meia-hora com São João (1901). Este volume é mal intitulado. Este é realmente comentário versículo por versículo sobre 1, 2 e 3 de João. Ele contém uma introdução às cartas de João, um comentário completo, e alguns ensaios complementares sobre certos temas nas cartas.

Respostas de Steele (1912). Uma antiga revista de santidade chamada The Witness Christian onde havia uma coluna assinada pelo Dr. Steele respondendo a perguntas enviadas aos editores – uma coluna “Pergunte ao Dr. Steele”. O livro Respostas de Steele é uma compilação de suas respostas a estas perguntas específicas que foram apresentadas a ele. As perguntas não aparecem em ordem temática específica.

Ele também revisou e editou o Compendio Teológico de Binney em 1874, e foi co-autor do Comentário Novo Testamento Popular (1891).

 A autobiografia curta de Daniel Steele

Eu nasci neste mundo em Windham, Nova Iorque, 05 de outubro de 1824; Nasci para o reino de Deus no culto de Wilbraham, na primavera de 1842. Eu poderia descrever o dia do meu nascimento espiritual assim: gradualmente a luz se aproximou de mim e tão levemente o selo de minha justificação ficou impresso em minha consciência.

Nos primeiros anos da minha vida cristã vivenciei grandes provações e tempos de dúvida. Eu desejava uma conversão do tipo paulina. Meu chamado ao ministério foi mais marcante e indubitável do que a minha justificação. Através das orações de uma mãe e da consagração de seu filho ainda no ventre ao ministério da Palavra, eu pude dizer: “Para este fim nasci eu, e por isso vim para o mundo, para dar testemunho da verdade”. Mas minha experiência religiosa inicial foi variável, e na maior parte consistiu em “dores e pecados, dúvidas e medos; um deserto selvagem”.

A pessoa do Espírito Santo era mais um artigo de fé do que uma realização alegre. Ele tinha soprado em mim a vida, mas não a vida mais abundante. Em certo sentido, eu era livre, mas não “de fato livre”. Livre da culpa e do domínio do pecado, mas não de fortes tendências internas, que pareciam ser parte de minha natureza. No meu primeiro ministério, sendo hereditariamente um metodista na doutrina, eu acreditava na possibilidade de inteira santificação nesta vida operada instantaneamente.

Como eu poderia duvidar disso à luz do exemplo que minha mãe fez de sua realidade? Procurei bastante, às vezes, mas não consegui encontrar nada além de elevação transitória do “nível morto”. Uma delas, em 1852, foi tão marcante que me livrou de uma dúvida sobre a questão da regeneração. Estas questões todas surgiram como entraves após a estudar inteira santificação como uma bênção diferente.

Mas quando abracei a teoria de que este trabalho é gradual e não instantâneo, esses abençoados levantamentos cessaram. Pois, não vendo nenhuma linha definida a ser cruzada, minha fé parou de expor suas mais fortes energias. Nesta condição, um período de quinze anos, fiquei extremamente insatisfeito e com fome. Deus tinha algo melhor para mim. Ele viu que tão grande era o meu desnorteamento mental, através do conflito de opinião em minha própria denominação em relação à perfeição cristã, que eu iria arrasar, “em intermináveis ​​labirintos perdidos”, e nunca entrar “na terra de milho e vinho e óleo”, a menos que Ele, por sua misericórdia, me conduza por outra estrada que não a que foi trilhada por John Wesley.

Fui guiado pelo estudo do prometido Paráclito para ver que Ele significava muito mais do que eu tinha percebido no novo nascimento, e que um Pentecostes pessoal estava esperando por mim. Eu procurei em sincero ardor. Então o Espírito revelou ao meu olhar o mal ainda espreitando em minha natureza: os motivos dúbios com que eu tinha pregado, muitas vezes preferindo a honra que vem dos homens a que vem de Deus.

Eu me submeti a cada teste proposto pelo Espírito Santo e confessei publicamente o que Ele havia revelado, determinado a caminhar sozinho com Deus e não com a multidão no mundo ou na Igreja. Imediatamente comecei a sentir uma liberdade estranha, crescendo diariamente, cuja causa não apreendi distintamente. Fui então levado a buscar a presença consciente e alegre do Consolador em meu coração.

Tendo resolvido a questão de que esta não era meramente uma bênção apostólica, mas para todas as idades – “Ele habitará com você para sempre” – Eu tomei a promessa: “Em verdade, em verdade vos digo que tudo quanto pedirdes ao Pai Em meu nome, ele lhe dará”. A “verdade” tinha para mim toda a força de um juramento. Fora do “qualquer”, eu tomei todas as bênçãos temporais, não porque eu não acreditava que elas fossem incluídas, mas porque eu não as estava buscando. Eu então escrevi meu próprio nome na promessa, não para excluir outros, mas para ter certeza de que eu incluí a mim mesmo. Então, escrevendo abaixo destas palavras, “Hoje é o dia da salvação”, descobri que minha fé tinha três pontos para dominar – o Consolador, para mim, agora.

Com a promessa, arrisquei uma tentativa de tomar posse da fé, reivindicando o Consolador como o meu direito em nome de Jesus. Por várias horas eu me agarrei naquela fé descoberta, orando e repetindo o hino de Charles Wesley: “Jesus, teu amor todo-vitorioso transbordou em meu coração”. Eu então percorri na minha mente os grandes fatos na vida de Cristo, especialmente sobre o Getsêmani e o Calvário, Sua ascensão, sacerdócio e sacrifício expiatório.

De repente, tomei consciência de um poder misterioso que tomava conta de minhas sensações. Minhas sensações físicas, embora não de temperamento nervoso, em boa saúde, sozinhas e calmas, eram indescritíveis, como se uma corrente elétrica estivesse passando pelo meu corpo com choques indolores, derretendo todo o meu ser em uma corrente de fogo de amor. O Filho de Deus esteve diante de meus olhos espirituais em toda a Sua beleza. Isto foi em 17 de novembro de 1870, o dia mais memorável para mim.

Eu agora percebia pela primeira vez “as inescrutáveis ​​riquezas de Cristo”. Reputação, amigos, família, propriedade, tudo desapareceu, eclipsado pelo brilho de Sua manifestação. Ele parecia dizer: “Eu vim para ficar.” No entanto, não havia palavra pronunciada, nem fantasma, nem imagem. Não era um transe ou uma visão. As afeições eram a esfera deste maravilhoso fenômeno, melhor descrito como “o amor de Deus derramado no coração pelo Espírito Santo”.

Parecia que a atração de Jesus, a âncora de minha alma, era tão forte que atrairia o espírito do corpo para cima em direção ao Céu. Quão vivo e real era tudo isso para mim! Eu estava mais certo de que Deus me amou do que eu estava sobre a existência de uma terra sólida ou de um sol brilhante. Eu apreendi Cristo intuitivamente. Esta certeza não perdeu nada de sua força e doçura, mesmo após o decurso de mais de dezessete anos. Sim, tornou-se mais real e feliz. E isso não é filosófico, pois o Dr. McCosh ensina que as intuições são capazes de crescer.

Eu não percebi de início que isto era uma inteira santificação inteira. A parte positiva de minha experiência tinha eclipsado a negativa, eliminando o princípio do pecado pelo poder de purificação do Paráclito. E foi realmente assim. No entanto, sempre me pareceu que esta era a parte inferior da grande bênção da vinda e habitação de toda a Trindade, conforme João 14:23.

Depois de dezessete anos de vida de experiências variadas, em mares por vezes muito tempestuosos, com doenças e com saúde, em casa ou no estrangeiro, em honra ou desonrado, com provas de extrema severidade, surgiu das profundezas da minha consciência ou do inconsciente, qualquer coisa que tenha as características feias do pecado, a transgressão deliberada da conhecida lei de Deus.

Durante todo esse tempo, os dardos ardentes de Satanás voaram pesadamente, mas caíram inofensivos sobre o invisível escudo da fé em Jesus Cristo. Quanto ao futuro, “Estou persuadido de que Ele é capaz de manter meu depósito até aquele dia”. No que diz respeito ao processo de manter-se em santidade, acho que este é o segredo revelado de Deus – “naquilo a que já chegamos, andemos segundo a mesma regra, e sintamos o mesmo.” Filipenses 3:16

A regra é que a fé em Cristo cresce cada vez mais e me fortalece. O coração é adubado com os elementos da fé, o conhecimento das Sagradas Escrituras, e a consciência sendo treinada para evitar atos não meramente pecaminosos e duvidosos, mas também aqueles cuja qualidade moral está além do alcance de todas as regras éticas, e que são reconhecidos por serem maus somente pelo seu efeito em escurecer a manifestação interior de Cristo.

A regra da vida, eu acho, deve ser suficientemente delicada para excluir aqueles atos que nos tiram a visão espiritual. Hb. 5:14. Se qualquer ato produzir o véu da gaze mais fina entre mim e o rosto de Cristo, doravante e para sempre eu o abandonarei. Como condição indispensável para o estabelecimento desse amor perfeito que lança fora todo o medo, eu encontrei a disposição de confessar Cristo em Sua suprema salvação.

Como ninguém pode manter em sua casa convidados se ele estiver envergonhado diante de seus vizinhos, assim nenhum homem pode ter a companhia do Pai, do Filho e do Espírito Santo no templo de seu coração enquanto estiver envergonhado de sua presença ou de seu trabalho de purificação. A este respeito, não seguimos a fórmula de nenhum homem. As palavras inspiradas que o Espírito ensina nas Sagradas Escrituras, apesar de encobertas com mal-entendidos e cercadas de fanatismo, são, afinal, o veículo mais apropriado para a expressão da maravilhosa obra de Deus no aperfeiçoamento da santidade no espírito humano, na alma e no corpo.

Testifico que é possível que os crentes estejam tão cheios do Espírito Santo que possam viver muitos anos na terra, conscientes todos os dias de uma reunião para a herança dos santos na luz, e de não voltar atrás, por causa de uma necessidade sentida de mais limpeza interior, de uma tradução instantânea para a sociedade dos santos anjos e para a presença do Deus santo. Esta foi a minha experiência diária desde 1870.

Tenho a prova Joanina de que meu amor é puro e sem temor – ou seja, aperfeiçoado no fato de que tenho ousadia em vista do dia do julgamento. (1 João 4:17,18. Notas de Dean Alford). Esta alegria ousadia está fundamentada na certeza de uma conformidade com a imagem do Filho de Deus, e que eu sou, através do poder transfigurador do Espírito, como Ele em Pureza, e que o juiz não condenará fac-símiles de si mesmo, “porque, assim como ele é, assim somos nós neste mundo.”

No entanto, estou consciente de erros, ignorâncias, enfermidades e defeitos que, embora coerentes com a perfeita lealdade e amor a Deus, precisam, e pela fé recebem, a cada momento, o mérito da morte de Cristo. Em outras palavras, o fundamento de minha posição perante Deus não é nem a perfeita retidão no passado, nem um serviço presente impecável, mas a misericórdia divina administrada por meio de Jesus Cristo. Por isso, oro diariamente, “Perdoai-nos as nossas dívidas”.

DANIEL STEELE

BOSTON, de março de 1888.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*