A Expiação no Novo Testamento

Daniel Steele

As sete alusões à expiação na Primeira Epístola de João exigem uma discussão mais extensa, tendo em vista a importância desta doutrina central do cristianismo tão fortemente enfatizada por São João.

A palavra “expiação” aparece no Novo Testamento, e está neste texto traduzida de modo inadequado como “reconciliação”, como em Romanos 5.11. Mas a idéia da expiação, sugerida nos Evangelhos, onde não poderia ser explicada inteligentemente como um resgate para muitos (Mt 20.28), é depois da morte e ressurreição de Cristo completamente desdobrada através de expressões como: “redenção através do Seu sangue“, “se entregou por nossos pecados“, “reconciliados pela cruz“, “se deu em sacrifício a Deus“, “Cristo sofreu por nós na carne“, “Ele é a Propiciação para os nossos pecados“, e muitas outras semelhantes. É o fato central do cristianismo perpetuamente enfatizado na Ceia do Senhor, cuja ordenança cedo ou tarde é interrompida onde quer que a idéia de redenção através do sangue do Filho de Deus já não seja pregada. Quando Ralph Waldo Emerson era pastor de uma igreja unitária em Boston, cerca de setenta anos atrás, ele deixou de administrar a Sagrada Comunhão, e foi perguntado por seus diáconos pela razão de omitir este sacramento. Ele respondeu que “estava dando uma proeminência indevida a Um entre muitos homens bons“. Do ponto de vista de sua teologia, que fez de Jesus Cristo um mero homem, filho de um pai judeu, sua resposta era lógica: o memorial da morte de Cristo era uma distinção inviolável.

Se o liberalismo não tem lugar para a expiação, a ortodoxia não tem motivos para se manter sem isso. Portanto, devemos defendê-la contra todos os agressores. Devemos demonstrar isso como um fato fundamental, e devemos declarar com tanta sabedoria a filosofia desse fato que seus inimigos irão encontrá-lo inexpugnável. Contudo, estamos muito agradecidos de que os homens possam ser salvos confiando no fato com pouco ou nenhum conhecimento da filosofia, e mesmo com uma filosofia extremamente errônea, como veremos em breve.

Mas se uma filosofia correta da expiação não é necessária para a salvação dos crentes penitentes, faz-se necessário a salvação daquela ortodoxia que produz crentes penitentes em Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. O Evangelho tem a obrigação de responder às perguntas que despertou estimulando o intelecto em todas as nações que lêem a Bíblia. Tal questão deve ser respondida.

PORQUE A EXPIAÇÃO É NECESSÁRIA?

Quem ou o que a exigiu? Passamos pela primeira resposta, que era necessário satisfazer a afirmação de Satanás, que havia capturado a raça pecaminosa dos homens, e estava segurando-os como seus prisioneiros. Por mais de mil anos, essa foi a resposta comum. Não digo a única resposta, porque aqui e ali alguém como Atanásio e João de Damasco declarou que a satisfação foi paga a Deus Pai. Mas sob o estímulo do Evangelho acelerar o intelecto, essa crueza teológica de um tributo a Satanás foi superada, e o caminho foi aberto para uma discussão completa da necessidade da morte expiatória de Cristo, pois para Ele ser elevado, Ele deve ter sofrido. A partir das várias respostas, teremos tempo para falar de apenas três: primeiro, a justiça essencial de Deus; em segundo lugar, a obstinação do homem no pecado; e, em terceiro lugar, os requisitos de um governo divino, oferecendo perdão condicional a uma raça de pecadores. O primeiro e o último colocam a necessidade do lado de Deus, enquanto o segundo a coloca totalmente no lado do homem.

  1. A primeira teoria prevaleceu amplamente por trezentos anos em ambos os ramos da ortodoxia – Calvinismo e Arminianismo – embora seja logicamente pertencente ao ramo que ensina uma eleição incondicional e uma expiação particular ou limitada. Baseia-se na necessidade de satisfazer esse atributo moral de Deus chamado justiça exata ou distributiva, definida por Webster como aquela “que dá a todos os seus desertos exatos“. Este princípio de justiça essencial, ou direito eterno, exige punição por lei violada. Se o pecador estiver isento de penalidade, deve ser imposto a algum substituto que não seja pessoalmente digno de punição. Caso contrário, como ele próprio é culpado, ele não poderia substituir o culpado. Ele deve sofrer por seus próprios pecados. Agora, existem várias razões pelas quais nunca fui capaz de pregar esta teoria da expiação.
  2. Não é exata uma justiça que pune o inocente. “A alma que pecar morre“, diz a justiça distributiva.
  3. A culpa é pessoal e não transferível.
  4. Não deixa espaço para um perdão literal e verdadeiro do pecado, como o Dr. Hodge admite. O perdão, sendo uma remissão graciosa da penalidade merecida, não pode ser exigido após a pena ter sido completamente suportada pelo substituto. Se o pecado foi completamente expiado, pode haver apenas um perdão nominal e não real. Não há mais penalidade por causa do pecado, e é claro que também não há para remeter. Não consigo adotar uma teoria que reduz a doutrina do Novo Testamento da justificação pela fé a uma simples farsa.
  5. O castigo da inocência é repugnante às intuições morais do homem, chamados de axiomas éticos, primeiras verdades, crenças necessárias, verdades auto-evidentes. Nenhum sistema pode suportar ou pode ser verdade quando colide com essas verdades últimas, definidas por Joseph Cook como “o modo de ação da Onipotência“. Diz-se que, embora seja errado para o homem conscientemente punir a inocência, pode ser correto para Deus, isso é negado pelo fato de que o homem está à imagem de Deus e é um sujeito moral do governo apenas porque existe entre ele e Deus um padrão comum de direito ao qual ambos podem recorrer. Além disso, a afirmação de que as qualidades morais no homem podem ser inteiramente diferentes em parte dos atributos morais de Deus, o torna um ser desconhecido e incognoscível, fortalecendo assim os fundamentos do agnosticismo prevalecente que é uma praga na cristandade moderna. Todo agnóstico na terra agradecerá por dizer que a justiça em Deus pode ser uma coisa totalmente diferente da justiça no homem.
  6. Nossa próxima objeção à teoria de que a expiação é uma satisfação penal paga à justiça distributiva é que, se for universal em extensão, o resultado inevitável e lógico é o universalismo. Pois se os pecados de todos os homens foram punidos em Jesus Cristo, nenhum homem pode ser castigado justamente, nem neste mundo, nem no mundo vindouro, porque os pecados já expiaram sofrendo a pena. Não lançarei nenhum fundamento para a enganadora doutrina da salvação final de todos os homens.
  7. Onde quer que seja ensinado que Deus puniu Seu Filho na cruz sempre houve alguns que se contentaram com a declaração retórica de que “Cristo no Calvário foi o maior pecador do universo” – linguagem que ouvi por mais de trinta anos. Nesse tempo, ouvi a oração pública de um médico wesleyano inglês descrever o Pai “lançando os raios mais quentes da Sua ira sobre a cabeça de Seu Filho devotado em castigo pelos pecados da humanidade“.

Tais declarações dão ocasião aos liberais para caricaturar a doutrina ortodoxa da expiação, fazendo do Pai a encarnação de uma justiça distributiva inquebrável, um implacável Shylock exigindo sua libra de carne. E o Filho, a encarnação da misericórdia e do amor, apaziguando Sua ira pessoal e fazendo com que Ele esteja disposto a ser compassivo.

  1. Nós chegamos agora nosso segundo ponto, no qual a necessidade da expiação está localizada inteiramente na obstinação da raça pecadora que precisa desta maravilhosa exibição de amor e sacrifício para fundá-la em contrição e fé obediente. É comumente chamada de

A TEORIA DA INFLUÊNCIA MORAL

Embora a influência moral seja acessória a todas as teorias, aqui é a principal, a única necessidade e objetivo da expiação. O homem, não Deus, deve ser propiciado. A obra de Cristo não tem nenhum aspecto de Deus. Se os homens se arrependessem sob outras influências morais, a expiação era desnecessária. Cristo é apenas um Salvador, não o Salvador. Ele é apenas um, o mais proeminente de muitos benfeitores morais, e a eficácia de quem se sacrifica para os outros é a mesma em espécie. Ele está à frente do nobre exército de mártires que por seus trabalhos altruístas e exemplo contundente de auto-imolação heróica levaram muitos do pecado à justiça. Se isso não discorda de nosso Divino Senhor Jesus, certamente prejudica Sua honra como o único Salvador. Ele não pode ser colocado em uma classe sem escurecer Sua glória. Ele deve ficar sozinho.

Esta é a nossa primeira objeção. A segunda é que, se Cristo salvou apenas pela influência moral de Sua morte expiatória, Ele não pode salvar ninguém que não tenha conhecimento dele – os inúmeros milhões que nunca ouviram falar dele em terras pagãs, metade da raça humana morrendo na infância e uma quantidade inumerável de pessoas que viveram e morreram antes de Cristo entrar em carne. Uma expiação cuja única eficácia é a influência moral não pode ter uma virtude retrospectiva. Deve ser conhecida para ser eficaz. O sol deve brilhar sobre o gelo para derreter. A única maneira de ajustar essa teoria da expiação a toda a raça é estender a liberdade condicional além da morte. Isso nos leva a uma inferência para a qual não encontro apoio Bíblico suficiente. Para mim, esta é uma objeção insuperável à influência moral da filosofia da expiação. Isso enfraquece o motivo do arrependimento imediato. Mas não podemos continuar a pensar neste ponto.

Nossa próxima dificuldade com esta teoria da salvação através da influência moral é que ela não oferece uma explicação satisfatória de todas as Escrituras que falam da remissão dos pecados que são passados, isto é, antes da encarnação de Cristo; Aqueles que declaram que não existe salvação senão por Ele; Aqueles que representam a Sua morte como substituto, e aqueles que a apresentam como um sacrifício propiciatório. Todos esses textos ensinam que a expiação tem uma eficácia de Deus. Por estas razões, por mais popular e agradável que seja essa visão, devo rejeitá-la.

Nossa última objeção é que esta teoria sempre tende a uma teologia suave, uma visão nebulosa do pecado e uma declaração vaga e nebulosa de suas conseqüências na vida futura.

A TEORIA GOVERNAMENTAL.

III. O texto que se aproxima de uma declaração da filosofia da expiação é Rm 3.25: “Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus”. A questão é: qual é a natureza da justiça exibida no estabelecimento de Jesus Cristo como propiciação? É a justiça do juiz ou a justiça do governador? Na prova, Deus não está lidando conosco como juiz, mas como governador. A justiça exibida não é judicial, exata, distributiva, dando a cada um dos seus desertos exatos, mas reitoral, governamental, justiça geral, definida por Webster como aquela “que executa todos os fins da lei, embora não em todos os casos através dos canais de Justiça distributiva, como muitas vezes vemos feito por um pai ou governante em seus tratos com aqueles que estão sujeitos ao seu controle”. A expiação era necessária pelo mesmo motivo, precisamente, que a penalidade da lei violada era necessária: substitui essa pena, no caso dos crentes penitentes, respondendo o mesmo fim que seria respondido pela imposição da pena, mantendo a lei divina. Uma definição mais exata é a de Miley: “os sofrimentos vicários e a morte de Cristo são expiação pelo pecado como substituto condicional de castigo, cumprimento, perdão do pecado, obrigação de justiça no governo moral”. As vantagens desta teoria são:

  1. Pode ser pregada sem reservas mentais.
  2. Não entra em conflito com a verdade intuitiva e auto-evidente, e evita a idéia irracional de que Cristo foi literalmente pecado e se tornou uma maldição.
  3. Baseia-se em visões justas e consistentes do caráter divino. Não faz dualismo ou colisão entre as Pessoas divinas, o Pai que pune o Filho.
  4. Ela satisfaz o Protetor da lei divina ao se abdicar de infligir a pena que foi ameaçada. Os homens ao expressarem essa verdade no idioma figurativo popular não expressam a verdade exata quando dizem que a lei estava satisfeita. A figura é a de esquadrinhar ou personificar a lei. Somente pessoas podem ser satisfeitas.
  5. Esta teoria é bíblica, harmonizando-se com todas as afirmações e incluindo todos os fatos ou Escrituras, atribuindo uma eficácia moral peculiar à obra de Cristo, investindo a cruz com uma peculiar influência moral sobre os homens, enquanto a sua necessidade está na direção de Deus. Esta visão ensina que a expiação foi vicária, originada no seio do Pai, que mostrou o Seu amor pelos sofrimentos que torceram Seu coração no dom do Seu Filho unigênito. Fairbairn, em recente trabalho, pensa que é um dos maiores erros da Teologia Cristã ensinar que Deus é impassível, incapaz de sofrer. Ele sugere que “o Filho, animado pela perspectiva de uma recompensa, não sofreu tanto na redenção do mundo quanto o Pai sem a esperança de recompensa na rendição do Filho”, com quem Ele havia tido agradável Comunhão face a face na eternidade. Os sofrimentos dos pais ao enviar seus filhos para lutar e morrer pela União eram diferentes em espécie, mas provavelmente maiores do que os deles. Esta visão da expiação apresenta – em vez de um antagonismo entre o Pai, como a personificação da justiça e do Filho, a encarnação do amor – as três Pessoas da Trindade cooperando ao máximo em auto-sacrifício para a salvação dos homens, de modo que, no funeral de cada alma perdida, o Pai, o Filho e o Espírito Santo dirigirão a procissão como os principais pranteadores[1].
  6. Fornece uma base para a salvação de pagãos tão piedosos quanto a sua melhor luz. “Eles são salvos através de Cristo, embora eles não o conheçam” (John Wesley). Que tal a condição de fé nele? Eles têm o espírito de fé e o propósito da justiça. Isto é, a disposição de confiar no objeto da fé, o Cristo histórico, se Ele lhes foi revelado no Evangelho, e a vontade de caminhar pela lei revelada de Deus lhes foi revelada. Qual é a sua autoridade bíblica? Jesus Cristo insinua que o dia do julgamento procederá pelo uso de uma escala móvel. Onde muito é dado, muito será exigido, onde pouco é dado, pouco será necessário. São Paulo declara: “Porque, para com Deus, não há acepção de pessoas. Porque todos os que sem lei pecaram, sem lei também perecerão; e todos os que sob a lei pecaram, pela lei serão julgados” (Rm 2.11-12). Pedro, olhando para um grupo de pagãos temerosos de Deus na sede do general de brigada Cornélio, declarou: “Reconheço por verdade que Deus não faz acepção de pessoas; Mas que lhe é agradável aquele que, em qualquer nação, o teme e faz o que é justo” (Atos 10:34-35). “Mas eu vos digo que muitos virão do oriente e do ocidente, e assentar-se-ão à mesa com Abraão, e Isaque, e Jacó, no reino dos céus” (Mt 8:11). O Sr. Joseph Cook, que defende a teoria reitoral, defende a doutrina da salvação possuindo o Cristo essencial, onde o Cristo histórico é desconhecido. O Cristo essencial é uma atitude obediente da vontade para “o ideal eterno exigido pelas verdades auto-evidentes, que tem em Cristo, e somente nEle, tornam-se historicamente reais”. No último dia, o juiz dirá: “Vinde, benditos”, não apenas para aqueles que entronizaram o Cristo histórico em seus corações, mas também para aqueles que expuseram para com os seus irmãos, qualquer homem desamparado, o espírito de amor, o elemento essencial no caráter de Cristo – “Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes” (Mt 25:40). O padrão é tão simples quanto aplicável a todos os que conhecem a distinção entre o certo e o errado. A teoria reitoral da expiação não precisa de liberdade condicional após a morte. Que efeito isso tem no motivo missionário? Nenhum. Essa palavra está em pleno vigor: “Portanto ide, e fazei discípulos em todas as nações” (Mt 28.19). Enquanto o pagão pode ser salvo sem o conhecimento de Cristo, o cristão não pode ser salvo enquanto retém egoisticamente esse conhecimento. Creio que é mais fácil para Deus salvar um pagão sem a Bíblia em Bombaim do que salvar um cristão professo em Boston sem disposição para lhe enviar uma Bíblia, ou seja, sem espírito missionário. Rejeito a doutrina das eleições e reprovações geográficas expressadas no ditado: “Trocar berços seria trocar os destinos”.
  7. Pode ser pregada como objetivamente universal em alcance como uma provisão, mas subjetivamente limitada como uma realização, por uma falha de agentes livres em cumprir suas condições. Por isso, não há base para o Universalismo. Dr. Edward Dorr Griffin foi designado para a Igreja da Park Street em 1811, quando a ortodoxia era uma sinopse e uma censura e quase não se atrevia a mostrar sua cabeça em qualquer púlpito em Boston. A crise exigia apenas um espírito mestre e esta cidade sentiu o poder de Deus trabalhando através deste dínamo do púlpito. Desde o dia da sua chegada que a ortodoxia começou a reviver. Ele pregava as verdades fundamentais tão claramente que o irreverente chamava esta igreja de “brimstone comer” (canto de enxofre, sentido figurado; ficou assim conhecida por causa da pregação severa). Mas o excelente trabalho que ele fez foi reafirmar a teologia da Nova Inglaterra[2], especialmente para resgatar a doutrina fundamental de uma expiação substitutiva da teoria da justa reprovação defendida pelo Dr. Channing que estava em conflito com as intuições morais. Isso ele fez grandemente no desenvolvimento e popularização da teoria governamental. Deixe-me ensaiar alguns dos temas em que ele lecionou nas tardes de domingo durante o seu pastorado de quatro anos lá antes de ir ao Williams College para salvá-lo de morrer promovendo avivamentos radicais de religião. Estas são as suas proposições: “Cristo não sofreu a pena literal da lei por nós, e não satisfez a lei de Deus para nós”; “Cristo não satisfez a justiça distributiva de Deus para nós”; “A lei e a justiça distributiva exigem eternamente o castigo de todo aquele que pecou”; “A expiação não consistiu na obediência, mas nos sofrimentos de Cristo, os sofrimentos que preencheram o plano do castigo e tornam perdoáveis os pecados dos crentes”; “A expiação foi projetada de forma igual e indiscriminada para todos os homens vistos como agentes morais. Isso implica que todos os homens como agentes morais têm o poder natural de cumprir as condições da vida e se arrepender sem as influências especiais do Espírito”; “A expiação geral implica que todos os provados têm uma chance justa de obter a vida eterna”. Foi a elaboração de tais proposições que prenderam a ortodoxia de um novo declínio e enviaram-no para uma carreira de alargamento e reconquista de sua terra perdida na Nova Inglaterra. Substituindo “habilidade graciosa” pelo “poder natural” e acrescentando que o Espírito Santo reprova o mundo de modo a permitir que cada homem se arrependa, eu pessoalmente e, como representante da teologia arminiana, digo Amém a essa filosofia da expiação em primeiro lugar sugerida pelo grande Grócio.

[1] O termo em inglês é mourners, que significa pessoa que atende um funeral como parente ou amigo da pessoa morta.

[2] A teologia da Nova Inglaterra designa uma escola especial de teologia que cresceu entre os Congregacionalistas da Nova Inglaterra, originária do ano de 1732, quando Jonathan Edwards iniciou seu trabalho teológico. Combinou o Calvinismo da Assembléia de Westminster e do Sínodo de Dort, modificado por uma concepção de Deus tomada por seus defensores para ser mais ética. Por uma nova ênfase na liberdade, habilidade e responsabilidade do homem. Pela restrição da qualidade moral à ação em distinção da natureza. E pela teoria de que o princípio constitutivo da virtude é benevolência. A teologia da Nova Inglaterra passou por vários estágios, incluindo a Nova Divindade defendida por Samuel Hopkins e a teologia de New Haven defendida por Nathaniel W. Taylor. A Nova Divindade foi muito proeminente na Nova Inglaterra no final do século 18. Suas raízes estão inseridas nos escritos publicados e inéditos de Jonathan Edwards. Por isso, também foi chamada de “Divindade eduense”. Isso modifica vários princípios do calvinismo, mais notavelmente a noção de vontade livre e pecado original, a natureza da expiação de Jesus e a justiça dele imputada aos crentes. Calvinistas tradicionais da Nova Inglaterra, como Edward Dorr Griffin, presidente do Williams College e ministro da Igreja Park Street, opuseram-se à teologia da Nova Divindade.

Tradução: Eduardo Vasconcellos

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*