Geometria Espiritual: uma avaliação do Quadrilátero Wesleyano

Por Vic Reasoner

No final da década de 1960, Albert Outler cunhou o termo “Quadrilátero Wesleyano” como um paradigma para as quatro diretrizes de autoridade na teologia wesleyana. Esta frase foi tão amplamente mal interpretada que Outler mais tarde se arrependeu de ter inventado o termo.

A frase destinava-se a fazer referência ao primado da autoridade bíblica, complementada e corroborada pela tradição, pela razão e pela experiência. No entanto, se isso for concebido geometricamente, a tendência será ver todos os quatro como bases de autoridade iguais. Em vez de protestar contra a dupla autoridade do catolicismo romano, o Wesleyanismo seria percebido como tendo quatro autoridades!

Se houver algum valor em ilustrar a fonte da verdade espiritual a partir da disciplina da geometria, a Palavra de Deus é a única fonte de axiomas espirituais. A tradição, a experiência e a razão não podem ser a base ou o ponto de partida para uma teologia adequada. Elas não carregam qualquer peso de autoridade, mas têm valor em esclarecer nossa interpretação da Escritura e ilustrar os axiomas da Escritura.

Um axioma é um dado; um princípio estabelecido que é recebido sem mais provas. John Wesley explicou em uma introdução à lógica: “Os princípios da fé divina são aqueles e os únicos que estão contidos nas Escrituras … Um axioma é uma proposição que não precisa e não pode ser provada … A fé absoluta é necessária para o testemunho de Deus “.

A teologia Wesleyana contemporânea tende a construir doutrinas de múltiplas fontes. Por exemplo, um teólogo wesleyano escreveu: “O quadrilátero comunica de forma simples e clara que mais de uma fonte de autoridade religiosa está empenhada na tarefa da teologia”.

No entanto, a Bíblia é a única fonte infalível de doutrina. Precisamos ter apreço pela inspiração total das Escrituras, pela autoridade absoluta das Escrituras e pela suficiência das Escrituras. Devemos pregar o Livro, o Livro inteiro e nada além do Livro!

Nossas publicações freqüentemente citam os escritos de John Wesley. Nós respeitamos John Wesley como um erudito piedoso que geralmente era preciso em sua interpretação das Escrituras, mas nossa fé é baseada na Palavra de Deus.

Também citamos Wesley para demonstrar que o movimento de santidade moderno, que afirma ser Wesleyano, não é. Nossa maior preocupação, no entanto, é que, em muitos pontos, o movimento de santidade, tanto conservadores quanto liberais, tenha surgido das Escrituras.

Nós somos cristãos bíblicos primeiro e Wesleyanos em segundo lugar.

A Bíblia e a Tradição

Juntamente com Wesley, temos um profundo respeito pela nossa herança cristã. Com Wesley acreditamos que o Espírito Santo guiou os primeiros concílios ecumênicos. No entanto, as primeiras declarações de credo da igreja cristã não foram julgadas verdadeiras por causa de uma maioria de votos. Elas eram verdadeiras porque eram resumos precisos de uma autoridade superior. Algumas decisões do concílio realmente contradizem as decisões tomadas por outros concílios. Eles são verdade só enquanto refletem o ensino bíblico. Wesley escreveu: “Se, por princípios católicos, você quer dizer qualquer um que não seja bíblico, eles não significam nada pra mim: não aceito nenhuma outra regra, seja de fé ou prática, que as Sagradas Escrituras”.

Quando Marcião levantou a questão no segundo século sobre quais livros eram canônicos, os concílios da igreja não tomaram arbitrariamente essa decisão. Em vez disso, eles fizeram uma declaração reconhecendo quais livros já haviam sido recebidos e usados ​​como dados por Deus. A igreja não determinou quais livros incluir como escritura. Enquanto os liberais ensinam que a igreja produziu as Escrituras, os conservadores ensinam que foi o povo de Deus que respondeu com fé à Palavra de Deus.

Uma ênfase dobrada na tradição levará ao legalismo. De acordo com Marcos 7:1-13, é possível defender firmemente as tradições humanas, e ao mesmo tempo deixar de lado os mandamentos da Palavra de Deus. Tanto quanto podemos respeitar certas tradições, formas litúrgicas ou estilos de vestimenta, nada é vinculativo para o cristão, exceto a autoridade da Escritura. Wesley ensinou: “Não impeça nada que a Bíblia não exija claramente. Não proíba nada que ela não proíba claramente.”

Uma publicação de santidade declarou: “Todos nós acreditamos no arrependimento e na restituição, na confissão e no perdão, na adoção e na regeneração, na inteira santificação como segunda obra definitiva da graça divina, na vida santa, na segunda vinda de Cristo. Não é isso suficiente para um fundamento comum? Isso não fornece uma base suficiente para companheirismo?” Aparentemente, não foi suficiente porque dois parágrafos mais tarde, o mesmo escritor anuncia o que será e não será permitido em sua plataforma e conclui sua lista de requisitos ao dizer que essas regras “distinguiram a convenção desde o início – e esperamos que elas sejam marcas para sempre”. Ou sua base de comunhão é baseada na autoridade bíblica ou é baseada na tradição.

A mais recente teologia Wesleyana é a obra de três volumes de Thomas Oden. É uma tentativa de declarar a doutrina cristã com base em um consenso histórico. Oden tem uma tremenda fé de que o Espírito Santo é o conservador da ortodoxia dentro da igreja, mas tem pouca fé de que o Espírito Santo possa inspirar uma Bíblia infalível. Francis Schaeffer apontou essa fraqueza:

Uma vez que, no entanto, [Oden] não aceita a autoridade total e a inerrância da Bíblia, ele ainda está com um problema sério – a saber, sobre o que ele finalmente irá basear sua fé? Sem a verdade objetiva da Bíblia como seu fundamento, Oden ainda não tem como se apropriar com confiança da verdade das Escrituras, nem realmente classificar a combinação de verdade e erro na vida e na teologia da igreja ao longo dos séculos. Assim, podemos recomendar Oden por redescobrir o fluxo da ortodoxia histórica, mas devemos dizer que sua teologia ainda é seriamente deficiente em relação à sua compreensão da autoridade da Bíblia.

As declarações mais recentes da teologia wesleyana são incertas quanto à autoridade da Escritura. Assume-se que a Bíblia é a principal fonte de doutrina porque a Igreja declarou ser assim. Enquanto aplaudimos a descoberta dos primeiros pais da Igreja, antecipamos um momento em que nossos teólogos líderes vão além dos pais para o fundamento apostólico e redescobrem o poder e a autoridade das Escrituras preservadas das críticas mais elevadas.

A Bíblia e Experiência

Acreditamos na salvação sentida pelo coração, mas não estamos interessados ​​em buscar qualquer experiência, as Escrituras não nos ordenam buscar. Nós defendemos o testemunho direto do Espírito Santo, mas fazemos isso com base no que é prometido no Novo Testamento. Não tenho autoridade para pregar minha experiência e você não tem obrigação de buscar minha experiência. Contrariamente à ênfase carismática moderna, Wesley aconselhou que, se uma pessoa buscava algo além do que mais amor, ele estava procurando mal.

A posição original de Wesley era: “Não me importo com a sua experiência, se você não está andando de acordo com a lei de Deus, está em decepção”. Colin Williams observou que “para Wesley, a experiência não é o teste da verdade, mas a verdade é o teste da experiência”.

O pentecostalismo coloca a experiência acima da Palavra de Deus. Alguém escreveu estas palavras no fundo da sua Bíblia: “Não me importo com o que a Bíblia diz, eu tive uma experiência”. Isso é humanismo; o homem se apresentando como Deus. Isso leva os teólogos a dizer que a Bíblia cometeu erros na área da razão, mas pode proporcionar uma experiência existencial irracional de qualquer maneira. Paulo escreveu em 1 Coríntios 15:14: “E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé”. Se a ressurreição de Jesus Cristo não é um fato histórico objetivo no tempo e no espaço, sua experiência não tem sentido.

O movimento de santidade se desviou alegando que Deus os levou a fazer coisas contrárias a Sua Palavra. Adotava o pentecostalismo menos as línguas. Nossa fé não é um salto irracional que exige reivindicar algo para recebê-lo. Não somos obrigados a dizer que acreditamos antes de termos recebido fé. Um missionário de santidade escreveu sobre um converso que busca “obter santificação”. “Ele está realmente lutando com a fé. Ele não pode ver como acreditar antes que ele venha ter fé. Este foi o final do conselho. Eu apenas disse a ele para reivindicar as promessas e continuar lendo a Palavra”. Este conselho não é bíblico, Wesleyano, nem racional. Nós acreditamos que a fé é o dom de Deus dado a quem conhece condições bíblicas.

Pode haver um perigo ao ler a biografia de grandes cristãos. Um jovem pregador que havia lido o livro de John Hatfield, Trinta e três anos de vida por um fio, disse a Hatfield: “Eu tentei fazer algumas das coisas que você escreveu em seu livro, mas elas não funcionaram assim”. Hatfield respondeu: “Eu só escrevi sobre as coisas que funcionaram”.

As biografias podem dar uma impressão falsa. Não somos todos destinados a ser “fios vivos”. Nosso perigo é que buscamos a experiência em vez de conhecer a Deus. Conheci pessoas que descreviam maravilhosas experiências de Deus e, no entanto, nunca fizeram muito pela causa de Deus.

Há livros que tentam provar a inteira santificação como uma segunda obra da graça demonstrando que os cristãos famosos têm recebido comumente essas experiências. Devemos acreditar na inteira santificação porque é ensinado em 1 Tessalonicenses 5:23 (e em outros lugares) e não por causa da experiência de uma celebridade. Enquanto Wesley disse que iria revisar sua compreensão da perfeição cristã se a experiência contradissesse isso, ele assumiu que o Espírito Santo não levaria pessoas sinceras contrárias à Escritura.

Os católicos romanos reivindicam a cura através da Virgem Maria, os mórmons falaram em línguas, os hindus possuem experiências poderosas de Krsna, as mulheres costumavam desmaiar sob a influência do Pai Divino, algumas afirmaram experimentar até seis obras de graça. Como sabemos quem acreditar? John Wesley escreveu:

Tente todas as coisas pela palavra escrita, e deixe-se prostrar diante dela. Você está em perigo de [fanatismo] a cada hora, se você se afastar um pouco da Escritura; sim, da planície, significado literal de qualquer texto, tomado em conexão com o contexto.

Nossa experiência deve ser baseada na Escritura. Se não recebermos a mensagem de Moisés e dos profetas, não seremos convertidos pela sensação ou mesmo pelo sobrenatural (Lucas 24:32). Wesley escreveu em seu Diário uma conversa com um Sr. Simpson. Enquanto Wesley acreditava que ele era sincero, ele disse que Simpson “é levado a milhares de erros por um princípio errado, fazendo impressões internas sua regra de ação e não a Palavra escrita”.

A Bíblia e a Razão

Você não verifica seu cérebro na porta quando você vai à igreja. Wesley apelou para a razão e o bom senso em sua pregação. No entanto, não somos racionalistas. Não somos salvos pela dedução lógica. Quando não conseguimos encontrar Deus através de nossos poderes racionais, Deus se revelou através de Sua Palavra. Nós acreditamos em Deus, não porque Ele é o produto de nossos processos racionais, mas porque Ele nos falou através da Sua Palavra.

Wesley escreveu uma vez ao editor da London Magazine para dizer que ele não estava mais seguro de tudo, exceto “o que Deus revelou ao homem”.

Teólogos americanos como Gordon H. Clark e B.B. Warfield pareciam acreditar que o poder da razão é suficiente para argumentar com um não crente na fé. Embora não descartem o valor da apologética, tampouco inflaríamos o seu valor. Não somos gnósticos que são salvos pelo que sabemos. A salvação não é a transmissão de informações, mas a graça. Os homens não rejeitam Cristo por causa do que eles não entendem, mas pelo que eles entendem. Com Anselmo, ecoamos: “Não procuro entender o que posso acreditar, mas acredito que eu possa entender: para isso também acredito que, a menos que eu acredite, não vou entender”.

Nós nos opomos ao racionalismo de Phoebe Palmer e sua influência sobre o movimento de santidade americano. Palmer reduziu a santificação a um silogismo. Coloque todos no altar. Cristo é o altar. O altar santifica o presente. Portanto, o buscador é santificado. Os professores de fé dentro do movimento carismático moderno adaptaram o erro de “nomeá-lo e reivindicá-lo”, de Phoebe Palmer. Ela aplicou a lógica da santificação; eles aplicaram a prosperidade material. Tudo equivale à ginástica mental e aos jogos de palavras que deixam o buscador desiludido.

CONCLUSÃO

Mantidos dentro de seu papel subordinado, a tradição, a experiência e a razão iluminam e aplicam a verdade bíblica. No entanto, não podemos construir uma teologia sobre nenhum deles. Devemos compreender a prioridade e o primado da Escritura. Não podemos ter uma dupla autoridade ou pluralismo teológico.

A menos que defendamos a suficiência da escritura, eventualmente estaremos provando nossas posições com base na tradição, o que pode levar ao legalismo; na experiência, que tende para o caráter carismático; ou na razão, o que nos leva a um racionalismo gnóstico.

O que precisamos é um avivamento da pregação bíblica e da vida santa.

“Não consigo encontrar nada na Bíblia sobre a remissão dos pecados passados, presentes e futuros”. John Wesley em Os Princípios de um Metodista mais Explicado.

 

Tradução: Eduardo Vasconcellos

Postagem original: http://www.lolministry.org/index.php/articles/other-authors/dr-vic-reasoner/9-uncategorised/168-spiritual-geometry-evaluating-the-wesley-quadrilateral

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*