John Wesley, um pietista metódico

“Aproximadamente um quarto antes das nove, enquanto ele estava descrevendo a mudança que Deus trabalha no coração através da fé em Cristo, senti meu coração estranhamente aquecido”.

 

Em 1735, um navio abriu caminho para o Novo Mundo da Inglaterra. A bordo seguia um jovem ministro anglicano, John Wesley, que havia sido convidado a servir como pastor para colonos britânicos em Savannah, na Geórgia. Quando o tempo ficou ruim, o navio encontrou-se em sérios problemas. Wesley, também capelão do navio, temeu por sua vida.

Mas ele notou que o grupo dos morávios alemães, que estavam a caminho de pregar aos índios americanos, não temia nada. Na verdade, durante toda a tempestade, eles cantavam calmamente. Quando a viagem terminou, ele perguntou ao líder morávio sobre sua serenidade, e o Morávio respondeu com uma pergunta: se ele, Wesley, teve fé em Cristo. Wesley disse que sim, mas depois refletiu: “Temo que sejam palavras vãs”.

Na verdade, Wesley estava confundido com sua experiência, mas a sua perplexidade o levaria a um período de busca da alma e, finalmente, a uma das conversões mais famosas e conseqüentes na história da igreja.

Educação religiosa

Wesley nasceu em uma forte casa anglicana: seu pai, Samuel, era pastor, e sua mãe, Susanna, ensinava a religião e a moral aos seus 19 filhos.

Wesley freqüentou Oxford, provou ser um bom estudioso, e logo foi ordenado no ministério anglicano. Em Oxford, ele se juntou a uma sociedade (fundada por seu irmão Charles), cujos membros fizeram votos para levar vidas santas, tomar a comunhão uma vez por semana, orar diariamente e visitar as prisões regularmente. Além disso, passavam três horas todas as tardes estudando a Bíblia e outros materiais devocionais.

A partir deste “clube santo” (como outros estudantes chamavam de forma burlesca), Wesley navegou para a Geórgia para pastorear. Sua experiência provou ser um fracasso. Uma mulher que ele cortejou em Savannah casou-se com outro homem. Quando ele tentou impor as disciplinas do “clube santo” em sua igreja, a congregação se rebelou. Um Wesley amargurado voltou para a Inglaterra.

Coração estranhamente aquecido

Depois de falar com outro morávio, Peter Boehler, Wesley concluiu que não tinha a fé salvadora. Embora continuasse tentando ser bom, ele ficou frustrado. “Eu realmente estava lutando continuamente, mas não conquistava …  Caí e me levantei e cai novamente”.

Em 24 de maio de 1738, ele teve uma experiência que mudou tudo. Ele descreveu o evento em seu diário:

“À noite fui, fui sem grande vontade a uma reunião na Rua Aldergate, onde alguém lia o prefácio de Lutero à Epístola ao Romanos. Cerca de um quarto para as nove, enquanto ele descrevia a mudança que Deus realiza no coração pela fé em Cristo, senti meu coração estranhamente aquecido. Senti que confiava em Cristo, somente em Cristo, para a salvação; e uma segurança foi me dada, de que Ele havia perdoado os meus pecados, sim os meus pecados, e salvou-se do pecado e da morte.”

Enquanto isso, outro antigo membro do “clube santo”, George Whitefield, teve um sucesso notável como pregador, especialmente na cidade industrial de Bristol. Centenas de pobres da classe trabalhadora, oprimidos pela industrialização da Inglaterra e negligenciados pela igreja, estavam experimentando conversões emocionais sob sua pregação ardente. Muitos responderam que Whitefield precisava desesperadamente de ajuda.

Wesley aceitou o pedido de Whitefield hesitante. Ele desconfiava do estilo dramático de Whitefield; ele questionou se a pregação ao ar livre de Whitefield (uma inovação radical para o dia) era apropriada; ele se sentiu desconfortável com as reações emocionais, mesmo que sua própria pregação a provocasse. Mas o recém ordenado Wesley logo se aqueceu para o novo método de ministério.

Com suas habilidades organizacionais, Wesley rapidamente se tornou o novo líder do movimento. Mas Whitefield era um calvinista firme, enquanto Wesley não conseguia engolir a doutrina da predestinação. Além disso, Wesley argumentou (contra a doutrina Reformada) que os cristãos poderiam desfrutar da inteira santificação nesta vida: o Deus amoroso e seus próximos, mansidão e humildade de coração, abstendo-se de toda aparência do mal e fazendo tudo para a glória de Deus. No final, os dois pregadores se separaram.

De “metodistas” ao Metodismo

Wesley não pretendia encontrar uma nova denominação, mas circunstâncias históricas e seu gênio organizacional conspiraram contra seu desejo de permanecer na Igreja da Inglaterra.

Os seguidores de Wesley se conheceram pela primeira vez em “sociedades” de casas particulares. Quando essas sociedades se tornaram muito grandes para que os membros se preocupassem, Wesley organizou “aulas”, cada uma com 11 membros e um líder. As aulas se reuniam semanalmente para orar, ler a Bíblia, discutir suas vidas espirituais e arrecadar dinheiro para a caridade. Homens e mulheres se encontraram separadamente, mas qualquer um poderia se tornar um líder de classe.

O fervor moral e espiritual das reuniões é expresso em um dos aforismos mais famosos de Wesley: “Faça todo o bem que puder, por todos os meios que você puder, de todas as maneiras que você puder, em todos os lugares que você puder, em todas as vezes que você puder, para todas as pessoas que você puder, o maior tempo possível”.

O movimento cresceu rapidamente, assim como seus críticos, que chamaram Wesley e seus seguidores de “metodistas”, um rótulo que eles usavam orgulhosamente. Isso piorou mais do que o chamado pelo nome às vezes: metodistas freqüentemente se encontravam com violência quando os rufiões pagãos rompiam as reuniões e ameaçavam a vida de Wesley.

Embora Wesley programasse sua pregação itinerante para que não perturbasse os serviços anglicanos locais, o bispo de Bristol ainda se opôs. Wesley respondeu: “O mundo é minha paróquia” – uma frase que mais tarde se tornou um slogan dos missionários metodistas. Wesley, de fato, nunca desacelerou, e durante seu ministério viajou mais de 4.000 milhas por ano, pregando cerca de 40.000 sermões em sua vida.

Alguns sacerdotes anglicanos, como o irmão Charles, que escrevia hinos, juntaram-se a estes metodistas, mas a maior parte do peso da pregação recaída sobre John. Ele acabou por ser obrigado a empregar pregadores leigos, que não tinham permissão para servir a comunhão, apenas servindo para complementar o ministério ordenado da Igreja da Inglaterra.

Wesley então organizou seus seguidores em uma “conexão”, e um número de sociedades em um “circuito” sob a liderança de um “superintendente”. Reuniões periódicas de clérigos metodistas e pregadores leigos eventualmente evoluíram para a “conferência anual”, onde aqueles que atendiam cada circuito foram nomeados, geralmente por períodos de três anos.

Em 1787, Wesley era obrigado a registrar seus pregadores leigos como não anglicanos. Enquanto isso, do outro lado do Atlântico, a Revolução Americana isolou metodistas ianques das conexões anglicanas. Para apoiar o movimento americano, Wesley ordenou de forma independente dois pregadores leigos e nomeou Thomas Coke como superintendente. Com essas e outras ações, o metodismo mudou gradualmente para fora da Igreja da Inglaterra – embora o próprio Wesley tenha permanecido um anglicano até sua morte.

Como indicativo de seu gênio organizacional, sabemos exatamente quantos seguidores Wesley teve quando morreu: 294 pregadores, 71.668 membros britânicos, 19 missionários (5 em estações de missão) e 43.265 membros americanos com 198 pregadores. Atualmente, os metodistas somam cerca de 30 milhões em todo o mundo.

 

Tradução: Eduardo Vasconcellos
Fonte: http://www.christianitytoday.com/history/people/denominationalfounders/john-wesley.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*